As 3 melhores práticas de web design para 2016

Por Regiane Galhardo Melo*

O usuário sempre espera a melhor experiência ao acessar sites. Por isso, buscar as melhores práticas para o projeto é essencial. Veja abaixo as 3 melhores práticas que não podem faltar no desenvolvimento de um site em 2016.

imagemartigowebdesign

1. Design para conversão

Todo site pretende alcançar um objetivo e o design pode ser o grande responsável por essa tarefa. Uma aparência atraente prende a atenção do usuário por alguns segundos, mas o que fazer para ele permanecer no site e encontrar as informações que procura?

É nesse momento que o design para conversão tem influência no comportamento dos visitantes do site. Ele é capaz de motivar, incentivar e direcionar o usuário a realizar a ação planejada no layout. A ação muda de acordo com o objetivo do projet,o que pode ser vender um produto, divulgar um serviço ou compartilhar um evento.

Para que isso se torne realidade é importante se preocupar com os princípios básicos de experiência do usuário e definir estratégias para que o usuário interprete o conteúdo conforme planejado.

O design para conversão é um diferencial nos projetos e com alguns cuidados os objetivos podem ser alcançados com mais tranquilidade.

Saiba mais:

2. Responsive Web Design

Todo web designer já passou por alguma dificuldade para adaptar seu projeto para diferentes navegadores. Com a diversidade de dispositivos e resoluções os problemas de compatibilidade continuarão surgindo. Mas além dos desenvolvedores, os usuários também podem sair frustrados dessa história.

Então, como desenvolver um site que se adapte a diferentes resoluções e dispositivos? O Responsive Web Design é uma das soluções técnicas para esse problema.

Ao utilizar a técnica, o site será adaptado ao tamanho da tela do dispositivo, as imagens e textos são redimensionados, as colunas são posicionadas conforme necessário, elementos desnecessários são ocultados e tamanhos de botões e links são adaptados para interfaces touch.

Usuários satisfeitos e baixo custo de desenvolvimento, manutenção e hospedagem são algumas das vantagens de layouts responsivos.

Saiba mais:

3. Tipografia

Percebemos com facilidade que o conteúdo predominante dos sites é o texto e é neles que os usuários buscam as informações. A tipografia alcançou um espaço com mais destaque e passou a ser utilizada não só para leitura, mas também como elemento do layout.

Um tempo atrás a escolha da tipografia nos sites era limitada a fontes instaladas nos computadores, mas graça aos avanços no desenvolvimento os arquivos de fontes podem ser incluídos nos projetos com o método @font-face.

A tipografia passou a assumir papel relevante na concepção da identidade visual e é importante se preocupar não só com a seleção da fonte, mas também com o tamanho, cor e espaçamento para que o texto se torne fácil e agradável de ler.

Lembre-se que a tipografia escolhida deve se alinhar com os conceitos e a linguagem visual aplicada ao layout.

Saiba mais:

Conclusão

As práticas de desenvolvimento apresentadas são técnicas já utilizadas no mercado atual e é recomendável um estudo aprofundado sobre cada uma delas para alcançar os objetivos do projeto.

Referências

*Regiane Galhardo Melo é formada em Design, atua na equipe da Coordenação de Portais e Tecnologias do ICI há seis anos desenvolvendo interfaces para web e aplicativos.

Eventos de TI que acontecem em 2016

Por Fabiano de Albuquerque*

O ano de 2016 começa agitado para quem vive, respira e trabalha com TI. Selecionamos alguns dos principais eventos marcados para este ano. Confira:

d58ad443fb8f3fe3d21797f06e4f9308

Campus Party™ Brasil 2016 – 26/01 a 31/01

O maior evento de tecnologia do país está com a data marcada para janeiro e será sediado em São Paulo (SP), no pavilhão de exposições Anhembi. No evento são discutidos assuntos como Ciência, Design, Inovação, Empreendedorismo, Segurança e Redes, Desenvolvimento.

Mini-DebConf Curitiba 2016 – 05/03 e 06/03

A Mini-DebConf Curitiba 2016 é um evento aberto a todos, independentemente do seu nível de conhecimento sobre Debian. A inscrição é gratuita.

9.ª Edição Mobile Intelligence 2.0 – 17/03

Evento voltado para a área de tecnologia móvel, uma tendência mundial que vem crescendo consideravelmente. No evento que acontece em São Paulo (SP), são discutidas novas tendências e tecnologias, impactos das convergências digitais, novas formas de acesso à internet, popularização da banda larga móvel 3G, 4G.

QCon São Paulo 2016 – 28/03 a 01/04

QCon é uma conferência para desenvolvedores de softwares e tem como propósito disseminar o conhecimento e inovação para a comunidade de desenvolvedores. São três dias de conferência e dois dias de workshops no evento que contará com mais de 90 palestrantes.

LTE Latin America 2016 – 05/04 a 07/04

Evento global que será sediado no Rio de Janeiro (RJ), a LTE comemora seu 6.º ano com um programa de conferências amplo e discussão em torno da evolução da banda larga móvel.

FISL 16 – 08/07 a 11/07

O Fórum Internacional Software Livre vem se firmando como um local de discussão e exposição do que há de mais novo em tecnologias livres e Porto Alegre (RS) será palco novamente do maior encontro da comunidade de Software Livre do mundo.

BrazilJS 2016 – 19/08

Uma das maiores conferências de JavaScript do mundo está com sua 6.ª edição garantida. Tradicionalmente, o evento ocorre em Porto Alegre (RS).

WCIT 2016 – 03/10 a 05/10

A 20.ª edição do WCIT será em Brasília (DF). O congresso mundial de tecnologia da informação será realizado pela primeira vez na América do Sul, a última edição foi realizada em Guadalajara, no México, em 2014. O foco do evento são empresas do setor de tecnologia da informação e comunicação, líderes empresariais, autoridades, investidores e acadêmicos. O tema deste ano é “Promessas da Era Digital: Desafios e Oportunidades”.

Tem mais algum evento para compartilhar? Deixe sua sugestão nos comentários.

*Fabiano de Albuquerque é técnico de informática, formado em Gestão em Infraestrutura de TI. Atua no setor de Redes do Instituto há oito anos.

MBaaS – Mobile Backend as a Service

Por Fabio Leandro Lapuinka*

A maioria das pessoas possui hoje em dia um celular conectado à internet, com o qual deve pelo menos acessar o Gmail, Whatsapp ou Facebook. Utilizam o aparelho para tirar fotos e ver vídeos diariamente e, é claro, ocasionalmente jogar seus games prediletos.

Quando você baixa um aplicativo da Loja do Google (Google Play) ou da Apple (App Store), você está apenas instalando uma cópia do aplicativo, que precisará se conectar à internet para acessar os servidores da empresa dona do aplicativo. Isto ocorre por várias razões: o aplicativo irá solicitar um usuário/senha, transferência de informações (vídeos/sons).

Quando uma empresa inicia o projeto de um novo aplicativo, é preciso se preocupar com detalhes da infraestrutura que este aplicativo irá utilizar. Geralmente, esta deverá fornecer serviços de notificações e mensagens, armazenamento de dados em nuvem, integração com redes sociais.

Na área de mobile, chamamos esta infraestrutura básica de MBasS – Mobile Backend as a Service.

apiOmat-Backend-as-a-Service

Figura 1 – Visão MBaaS

Para atender a crescente demanda da área mobile, o ICI preparou seu Data Center para a arquitetura MBaaS. Esta arquitetura permite que aplicativos mobile sejam suportados por infraestrutura robusta, que possui serviços de mensagens e storage.

O preparo desta infraestrutura possibilitou que aplicativos como Cartão Qualidade e Hemogram fossem escritos com mais agilidade, permitindo que os desenvolvedores apenas acessassem rotinas previamente preparadas para estes fins, sem se preocupar com detalhes da sua construção.

*Fabio Leandro Lapuinka é analista de sistemas, integra a equipe da Coordenação de Portais e Tecnologias do ICI.